Professora da UPE vai receber título de cidadã pernambucana

Professora dos cursos de Ciências Sociais, Educação Física, Direito e Enfermagem, Vânia Rocha Fialho de Paiva e Souza atuou na Universidade de Pernambuco entre 1994 e 2019, quando requereu aposentadoria. No período em que esteve na instituição, empenhou-se em trazer a temática indígena para a formação dos estudantes, contribuindo para a criação do curso de licenciatura em Ciências Sociais, onde deixou a sua marca na UPE. Nascida no Rio de Janeiro, ela se tornará oficialmente cidadã pernambucana por solicitação do deputado estadual Isaltino Nascimento (PSB).

A concessão do título honorífico está na etapa final de tramitação na Assembleia Legislativa. Será um reconhecimento à educadora que veio morar no Recife aos dez anos de idade. Na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), graduou-se em Ciências Sociais em 1986. Na mesma instituição fez também mestrado em Antropologia (1987-1992) e doutorado em Sociologia (1998-2003).

Como antropóloga, ingressou por seleção na Fundação Nacional do Índio (Funai), onde contribuiu na demarcação de terras indígenas nos estados de Pernambuco, Paraíba e Ceará. Em Pernambuco, ajudou os povos Xukuru do Ororubá, Kambiwá e Pipipã a conquistarem seus direitos socioterritoriais em um período decisivo antes da promulgação da Constituição Federal de 1988. Sua relação com o tema tem origem familiar. Seu pai, um militar do setor de engenharia do Exército, registrou o contato com indígenas durante o processo de construção da Transamazônica, na década de 1970.

Com a experiência nos processos de regularização fundiárias das terras indígenas, realizou os primeiros estudos antropológicos para regularizar territórios quilombolas no estado. Castainho (1997) e Conceição das Crioulas (1998) permanecem ainda como os dois únicos territórios quilombolas titulados em Pernambuco. 

Vânia mantém vínculo na Universidade de Pernambuco como integrante do corpo docente do mestrado em Culturas Africanas, da Diáspora e dos Povos Indígenas, no Campus Garanhuns. Trata-se do único mestrado profissional na área da Antropologia no Brasil. Ela também dedica-se atualmente ao Projeto Nova Cartografia Social, cujo núcleo estadual é por ela coordenado, onde são produzidos mapas que dão visibilidade a segmentos marginalizados sobre os territórios em que vivem e do seu potencial de mobilização. Mais detalhes sobre sua biografia podem ser conferidos no texto que justifica o pedido de título na Assembleia Legislativa. Ele pode ser acessado clicando aqui.

Canal da UPE no YouTube estreia série que aborda aulas online e direitos autorais

Com o retorno das atividades da Universidade de Pernambuco (UPE) em fevereiro pelo sistema híbrido, com parte das aulas presenciais e outra parte de forma remota, estudantes e professores devem estar preparados para mais um semestre letivo convivendo com a nova realidade imposta pela pandemia de Covid-19. Um dos desafios é utilizar as plataformas educacionais e tecnologias de comunicação com segurança, sem o risco de infringir direitos dos colegas e mestres com o uso indevido do conteúdo compartilhado na turma.

No canal da Universidade de Pernambuco no YouTube (para acessar, clique aqui), uma playlist de dez vídeos recém-lançados integra o projeto “Reingresso Seguro”, coordenado pela professora do curso de Direito da UPE, Amália Câmara. Também líder da Liga Pernambucana de Direito Digital, ela reuniu um grupo de mestrandos e graduados da UPE e outras instituições de ensino superior no estado (UFPE, Unicap e Uninassau) para gravação de orientações sobre propriedade intelectual, direito autoral, direito à imagem, compartilhamento de dados e direito ao acesso às informações.

Os vídeos têm, em média, duração de três minutos e abordam temas que são comuns nestes tempos de aulas remotas em regime de quarentena. A playlist destaca questões como os limites de uso de imagens e material captado da internet, o que fazer se o professor negar-se a gravar a aula síncrona, compartilhamento das aulas, uso de imagem do professor e dos alunos e como garantir que o conteúdo não seja depois utilizado fora da finalidade prevista, como por exemplo em outras aulas, palestras e seminários. 

O projeto “Conhecimento Solidário” é coordenado pela Pró-reitoria de Extensão e Cultura (Proec) e disponibiliza, no canal da UPE no YouTube, produções audiovisuais com informações e orientações que podem contribuir com a superação da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19), em seus diferentes aspectos.

O primeiro semestre letivo de 2020 na Universidade de Pernambuco será retomado no dia 8 de fevereiro. As aulas referentes a 2020.1 seguirão até 22 de maio, totalizando 14 semanas de duração. O período correspondente a 2020.2 será de 14 de junho a 16 de setembro. Oficialmente, o primeiro semestre de 2021 começará no dia 13 de outubro.

UPE realiza primeira colação de grau do ano com alunos de Odontologia

A primeira colação de grau antecipada deste ano da Universidade de Pernambuco aconteceu nesta terça-feira (12) envolvendo 11 alunos do curso de Odontologia da Faculdade de Odontologia de Pernambuco (FOP). A cerimônia, conduzida pela vice-reitora da UPE, Socorro Cavalcanti, aconteceu na sede da reitoria e foi transmitida online. Os formandos conseguiram antecipar a colação por terem conseguido cumprir toda a carga horária exigida pelo MEC.

A diretora da FOP, Mônica Pontes, falou sobre a alegria do momento. “É muito gratificante vê-los saindo da universidade mais maduros para encarar o mercado de trabalho. Tivemos um ano atípico, mas vencemos. Sejam felizes e aproveitem os anos de aprendizado para cuidar com zelo dos seus pacientes”, disse.

Já a vice-reitora Socorro Cavalcanti parabenizou os formados e agradeceu o empenho dos diretores da FOP. “Tivemos grandes dificuldades durante a pandemia, mas conseguimos firmar o nosso compromisso com a sociedade que é levar a pesquisa e o conhecimento. Agradeço ao corpo docente da unidade que não mediu esforços para que essa colação acontecesse. Parabéns a todos”, falou.

O grau foi conferido à aluna Maria Eduarda Medeiros de Albuquerque em seu nome e em nome da turma. “A felicidade é imensa. Agora vamos seguir com os nossos projetos e contribuir com a melhoria da qualidade de vida da população”, frisou. 

Leia mais...

Inscrições abertas para workshop internacional promovido pelo Instituto de Ciências Biológicas da UPE

Organizado pelo Programa de Pós-graduação em Biologia Celular e Molecular Aplicada com o apoio da Universidade de Pernambuco e Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), o II International Workshop on Cellular and Molecular Biology ocorrerá no formato online nos dias 3 e 4 de fevereiro.

O evento do Instituto de Ciências Biológicas da UPE é totalmente gratuito e voltado para discentes de graduação, pós-graduação, pós-doutorandos, docentes, pesquisadores, técnicos e estagiários. O link para inscrições, submissão dos resumos e programação é https://workshopbcma.ciente.live/

A programação consta de apresentação de resumos, mesas-redondas e palestras. Estão previstas participações de pesquisadores de pelo menos 8 países (Portugal, Estados Unidos, China, Reino Unido, França, Dinamarca, Austrália e Turquia).

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO

Alunos de Ciências Biológicas do Campus Petrolina da UPE criam série de podcast

Alunos do curso de Ciências Biológicas do Campus Petrolina da Universidade de Pernambuco (UPE) são os autores de uma nova série de podcasts que integra o programa de extensão universitária Conhecimento Solidário, coordenado pela Pró-reitoria de Extensão e Cultura (Proec).

Em “Ouvindo Biologia”, Roberlania Alves Rocha, Luiz Henrique Santos Cursino, Tatiane Cezario dos Santos e  Maria Eduarda Marinho de Sousa pretendem discutir aspectos da ciência em uma linguagem acessível para todos. O primeiro episódio, que está disponível no Spotify (https://open.spotify.com/show/1loLRJck1WZlTOz1DXdmdt) e em outros canais listados no http://www.upe.br/podcasts.html aborda a vida e a obra de Gregor Mendel, o biólogo, botânico e monge que descobriu as leis da genética, que mudaram o rumo da biologia.  

O episódio, com o título de “Minuto Mendeliano”, tem 14m39s e trata dos experimentos de Mendel que até hoje têm impacto na área de genética, biotecnologia e educação. A docente orientadora é Elaini Oliveira dos Santos Alves.